Drop files to upload.
Faithlife Corporation

O Mistério da Unidade - Efésios 3.1-13

Sermon  •  Submitted
0 ratings
· 21 views
Notes & Transcripts

Série: O Mistério da Igreja

Sermão: Efésios 3:1-13

Pregador: Pr. Rodrigo Serrão

O Mistério da Unidade

Introdução:

O SER HUMANO É CURIOSO

O ser - humano é curioso por natureza.  Se não fosse, nós nunca teríamos ido às profundezas do oceano ou teríamos pisado na lua.  Se não fossemos curiosos, não teríamos inventado tantas coisas, das mais simples (uma lança para caçar, por exemplo) a uma máquina para manter o paciente vivo durante uma grande operação.  Quem assistiu ao filme “Mãos Talentosas” viu que o Dr. Ben Carson só pode terminar a operação de separação dos irmãos siameses quando uma máquina parou o coração das crianças e depois a mesma máquina tornou a fazer os corações baterem novamente.  Olhe ao seu redor e veja tudo o que o homem criou.  Só não se esqueçam de onde vem toda essa capacidade criativa do homem.

 COISAS MISTERIOSAS AGUÇAM A NOSSA CURIOSIDADE

Por sermos curiosos, os mistérios da vida atraem muito a nossa atenção.  Programas de TV que exibem o oculto e o incompreensível têm grandes índices de audiência pelo simples fato deles mostrarem coisas que para os homens ainda não tem uma resposta definida.  Mistérios atraem a nossa atenção e muitas religiões se aproveitam desta nossa característica para ganhar adeptos. 

Ocultismo, espiritismo, entre outras religiões ganham muitos adeptos quando estas falam às pessoas que elas precisam desenvolver seus dons mediúnicos.  Com isso, elas armam uma arapuca e prendem aqueles mais desavisados, simplesmente por acentuar nesta pessoa sua curiosidade e sede do desconhecido.

A BÍBLIA TAMBÉM FALA DE MISTÉRIOS

A Bíblia também fala de mistérios.  Contudo, diferente de ser algo obscuro ou enigmático como é o sentido da palavra mistério nos dias de hoje, para os escritores bíblicos, a palavra mistério é como um segredo que ainda seria contado.  À medida que o tempo passava Deus ia revelando os mistérios acerca dEle e de Sua obra ao povo. 

Existem, contudo, mistérios que nunca serão revelados.  Estes estão na categoria de Deuteronômio 29:29 “As coisas encobertas pertencem ao Senhor, nosso Deus, porém as reveladas nos pertecem...

Ou seja, existem coisas que nunca soubemos antes, não sabemos hoje, e nunca saberemos, pois só a Deus pertence.  

Outras coisas, porém, Deus nos revelou há muito tempo atrás na época dos profetas.   Por exemplo, a Abraão, Deus revelou que o Seu povo seria incontável, tão numeroso quanto às estrelas do céu e o pó da terra.  A Moisés, Deus revelou que chegaria um tempo que Ele enviaria para a terra o Messias. 

Contudo, existia um mistério que antes de ser totalmente revelado, Deus foi por toda a Bíblia, dando dicas acerca de seu acontecimento.  Eu estou falando do grande mistério da união de todos os povos em Cristo. 

A própria revelação de Deus a Abraão já era uma pista do que viria mais na frente com Jesus.

Ao profeta Isaías, Deus revelou que os gentios também eram dEle quando Ele diz “Bendito seja o Egito, meu povo, e a Assíria, obra de minhas mãos, e Israel, minha herança.” (Is 19:25).

Em Gênesis 14, vemos um Rei que era servo do Deus altíssimo antes mesmo de existir povo Judeu, nação de Israel, ou qualquer coisa do tipo.  Ou seja, Deus já estava mostrando que Ele tinha os gentios em mente desde o início. 

Quando chegamos ao Novo Testamento, vemos este mistério sendo revelado aos apóstolos, em especial a Pedro e finalmente ao apóstolo Paulo.

No caso de Pedro a revelação veio através de uma visão. Em Atos 10:9-16, Deus mostra a Pedro um lençol que era baixado a terra pelas quatro pontas e neste lençol estava vários tipos de animais considerados impuros pelos Judeus.  Deus manda Pedro matar e comer os animais.  Ele, contudo como um bom Judeu não aceitou fazer isto.  Deus então falou, “Ao que Deus purificou não consideres comum.” 

Isto foi uma revelação dada a Pedro, lá na frente Pedro diz, “Reconheço, por verdade, que Deus não faz acepção de pessoas; pelo contrário, em qualquer nação, aquele que o teme e faz o que é justo lhe é aceitável.” (Atos 10:34-35)

A revelação de Deus deste mistério, contudo, se completa no ministério de Paulo.

PAULO CONTUDO É QUEM REVELA O MISTÉRIO ANTES ESCONDIDO

Quando chegamos ao capítulo 3 de Efésios, vemos a revelação de Deus a Paulo sendo levada a toda igreja. 

O capítulo 3 inicia com Paulo recebendo de Deus esta revelação.  Alguns comentaristas dizem que Paulo não iria falar sobre o mistério de Deus aqui, mas sim orar pelos Efésios.  Contudo, a oração só começa no versículo 14, pois do versículo 2 até o 12 Paulo abre um grande parêntesis, onde ele entrega a revelação que Deus o havia dado no cárcere doméstico em Roma.

Paulo está preso por causa da pregação do evangelho (sob a autoridade do imperador Nero).  Contudo ele se considera prisioneiro de Cristo e não de Roma.  Mostrando com isso que Deus tinha o controle de sua vida e não governo algum.  

E é neste momento que Paulo vai falar do mistério de Deus.  Vai falar do estabelecimento da comunicação divina para levar ao conhecimento da igreja o fato de que diante de Deus todos são iguais.  Diante de Deus já não havia mais Judeu ou Gentio, todos eram UM EM CRISTO. 

Isaías falou por cima, Jesus chegou a dizer a um gentio que não havia visto fé como a dele nem mesmo em Israel, Pedro teve a revelação do lençol com os animais que prefiguravam a entrada dos gentios de uma vez na igreja, contudo, é Paulo que diz que Judeus e Gentios eram um em Cristo. 

É importante entendermos esta unidade, pois é nela que está a base para o evangelho de Cristo.  A igreja diferente da antiga aliança não tem mais distinção entre outros povos como Israel tinha. 

Em outra ocasião Paulo diz, “Não existe judeu nem grego, nem escravo nem livre, nem homem nem mulher, porque todos vós sois um em Cristo Jesus.” (Gal. 3:28)

E o que isto implica verdadeiramente para a vida da igreja e para a nossa vida?

  1. Unidade é central à mensagem do Evangelho (v6)

A mensagem de Cristo é uma mensagem de unidade.  Em João 17 Jesus ora ao Pai dizendo, “Pai santo, guarda-os em teu nome, que me deste, para que eles sejam um, assim como nós somos um” 

Somos chamados para sermos um com o nosso irmão.  O corpo que não esteja em UM pedaço não pode estar vivo.  Você já viu um corpo onde a mão está separada do braço e as pernas divididas em três partes.  Você já viu os dedinhos do pé nas mãos porque os das mãos estão separados?

Um corpo onde os membros não estão unidos não é um corpo vivo e sim morto. Contudo, o corpo de Cristo é vivo e por isso precisa de unidade. 

Esta mensagem de unidade hoje com certeza não tem o mesmo impacto que teve na época da igreja primitiva.  Foi exatamente esta mensagem que levou Paulo à prisão. Ele andava por todos os lados dizendo que os Judeus e os Gentios eram um em Cristo e isto lhe custou sua liberdade.

Você sabe qual o impacto desta mensagem de unidade para os Judeus naquela época? O mesmo que dizer que todos os leprosos terminais teriam os mesmos direitos que vocês aqui.  Eles virão aqui e compartilharão tudo conosco.  Irão às nossas casas e serão nossos hóspedes.  Eles usarão nossos banheiros e nos abraçarão e estarão juntos conosco todo o tempo. 

Este impacto que alguns de vocês tiveram foi provavelmente o que os Judeus tiveram.  Nada contra os leprosos, apenas quero mostrar aqui a forma como os Judeus viam os Gentios.  Para os Judeus, os Gentios eram uma sub-raça, eram inferiores.  Eles viam os outros povos sempre como inferiores a eles. 

Os Judeus já sabiam que um dia Deus iria salvar os Gentios, agora, ser um com eles era outra coisa.  Para os Judeus a salvação dos Gentios não implicaria unidade, mas sim, controle e tolerância.  Ou seja, para os Judeus aqueles que se convertessem a Cristo seria tolerado na comunidade, contudo sempre debaixo da liderança deles. 

Porque Paulo repreende a Pedro no livro de Gálatas? Porque havia dentro da comunidade Cristã do primeiro século divisões profundas entre os Judeus e Gentios. 

Paulo em Gálatas 2 diz,  “Quando porém, Cefas veio a Antioquia, resisti-lhe face-a-face (algumas versão dizem “confrontei-o”) porque se tornara repreensível.  Pois antes de chegarem alguns da parte de Tiago, ele comia com os gentios; mas quando eles chegaram, se foi retirando e se apartava deles, temendo os que eram da circuncisão.”

Não é a toa que o livro de Gálatas foi escrito.  Para mostrar que os Judeus eram iguais aos Gentios e não superiores.  Os Judeus não poderiam impor costumes sobre os Gentios, os Cristãos judaizantes queriam que os Cristãos Gentios cumprissem rituais judáicos, queriam que fossem circuncidados, entre outras coisas.  Eles não aceitavam ser iguais, mas queriam ser superiores.  Contudo em Cristo já não existia mais Judeu ou Gentio, mas todos eram UM em Cristo. 

O mistério da unidade em Cristo é algo lindo e que precisa ser vivido pela igreja de forma mais ampla em nossos dias. 

Quando olhamos para os tempos de Paulo e a sua luta para mostrar aos Judeus e Gentios que agora eles eram um único povo em Cristo e olhamos para o nosso tempo hoje, vemos que ainda temos muito que mudar.

Sem unidade não podemos clamar que somos de Cristo.  A oração de Jesus a Deus em João 17 dizia justamente que ele orava pela unidade da igreja por causa da unidade da Trindade.  Assim como Deus Pai, Filho e Espírito Santo são um a igreja precisa ser UMA. 

Contudo, é importante dizer que UNIDADE NÃO É UNIFORMIDADE.  Você já viu os uniformes escolares?  O que eles têm em comum? São todos iguais.  E os uniformes dos militares em uma marcha?  Iguais em todos os sentidos.

Quando Paulo fala da UNIDADE da igreja, ele está falando que precisamos ser todos unidos em Cristo.  O contrário de UNIDADE é DESUNIÃO, já o contrário de UNIFORMIDADE é DIFERENÇA

Não tem problemas se somos diferentes. 

·        Não tem problema se eu gosto de Rock e você de Forró.   

·        Não tem problema se eu gosto de roupas leves e você ora para me ver aqui de paletó e gravata.

·        Não tem problema se eu sou Fluminense e você é Flamenguista

·        Não tem problema se eu sou Calvinista e você é Arminiano

·        Não tem problema se eu sou negro e você é branco

·        Não tem problema se eu sou pobre e você é rico

Contudo, o problema existe quando somos desunidos por conta das nossas diferenças.  Deus não quer um bando de robôs que vivem da mesma forma, e falam do mesmo jeito.  Se Ele quisesse isso Ele teria feito isto.  Deus quer, contudo, UNIDADE EM MEIO A DIVERSIDADE

Entenda uma coisa, a verdadeira fé em Cristo produz UNIDADE.  Não esqueça que a UNIDADE faz parte da mensagem do evangelho e está no coração do Cristo.

Se nós como igreja falharmos nisto, nos equiparamos aos Judeus que se sentiam melhores e superiores aos Gentios apenas porque eles haviam sido escolhidos primeiro. 

Nós, como igreja, não podemos cair neste mesmo erro e achar que está tudo certo.  A forma como tratamos e recebemos as pessoas mostra como percebemos a questão da unidade da igreja. 

Claro que existem questões doutrinárias que não devem ser ignoradas, contudo, parece que o nosso problema é mais de ordem sócio-econômica do que doutrinária, mas racial do que de falsos ensinos

Tudo o que a igreja vier a fazer precisa refletir unidade, quer no batismo, na Ceia do Senhor, quer nas músicas, quer na comunhão.

Infelizmente o que vemos são igrejas fragmentadas internamente por disputas individuais de poder e influência.  Vemos pessoas que lutam por controle e poder e usam disto para manipular e controlar os demais.  Não vemos o amor que deveria ser passado a todos e a unidade que Cristo e Paulo tanto lutaram acontecendo hoje.

Por isso é fundamental que a igreja de hoje olhe para a Bíblia e busque resgatar este fator essencial do evangelho, a UNIDADE.

E é por pregar esta unidade que Paulo está preso. 

Paulo diz que os gentios não somente são UM com os Judeus, mas também tem todos os direitos deles.

 Veja o que ele diz ainda no versículo 6: 

  • Os gentios são co-herdeiros – ou seja, terão direito à mesma herança;
  • Os gentios são membros do mesmo corpo – ou seja, fazem parte da igreja de Cristo; e
  • Os gentios são co-participantes da promessa de Cristo – ou seja, participam de cada promessa que Deus fez aos Judeus, ou seja, tudo que Deus falou acerca do povo Judeu, serve também aos Gentios.

Agora esta unidade não somente é central a mensagem do evangelho, como também:

  1. A unidade só é possível através da pregação do evangelho (v.7-9)

Paulo agora entra na sua missão como pregador do evangelho da unidade.  Para Paulo não haveria como os Judeus e Gentios se tornarem um sem que o evangelho de Jesus fosse pregado.  A pregação de Paulo não era nada mais nada menos do que a pregação do evangelho das insondáveis riquezas de Cristo.  

Paulo era o pregador do mistério da unidade, o pregador das insondáveis riquezas de Cristo.  Porém, tudo isto para Paulo não vinha dele próprio, mas tinha procedência divina.

Perceba que a ênfase de Paulo é toda em Deus:

  • Eu fui constituído ministro.
  • O dom da graça de Deus a mim concedida.
  • A mim, o menor de todos os santos, me foi dada a graça de pregar

A palavra ministro aqui no texto sagrado é diakonos de onde tiramos a palavra diaconia ou serviço.  Chamamos de diácono todo homem ou mulher chamado para servir a igreja.  E é esta palavra que Paulo usa. 

Paulo está dizendo “eu sou um servo apenas. E como servo eu prego o evangelho que a mim foi confiado”.  Ser ministro é ser servo e ser servo é cumprir aquilo que Deus nos pede que façamos. 

Paulo enfatiza a sua pequenez para que Deus seja engrandecido em tudo o que ele estava fazendo.  Ele enfatiza a sua prisão, o seu sofrimento, a sua condição de menor de todos os santos para que tudo que acontecesse através do ministério dele seria apenas por graça e obra de Deus. 

Veja o que está acontecendo aqui.  Paulo esta dizendo que é o menor de todos os santos e foi justamente para ele que Deus entregou a revelação do mistério da unidade.  Paulo apenas se dispôs e pregou.  A mensagem sempre será maior que o mensageiro.  Você não pode esperar ser perfeito ou ser mais santo ou mais crente para pregar a mensagem de unidade em Jesus.

Não há unidade sem a pregação, e não há pregação sem pregadores, e não há pregadores perfeitos. 

Irmãos, a verdadeira unidade de classes, de raças, de povos, de nacionalidades, de castas, de tudo o mais que exista neste mundo só é possível em Cristo Jesus.  E as pessoas só conhecerão a Cristo e a unidade que só existe nele através da pregação do evangelho. 

O exemplo de Paulo é encorajador.  Ele admite sua pequenez, sua incapacidade, suas condições adversas, e usa tudo isto para pregar o evangelho e glorificar a Deus.  Isto não é motivo para se envergonhar, segundo Paulo, mas para mostrar que a mensagem está livre mesmo quando alguém está preso. 

O mundo está dividido.  E quanto mais o tempo passa mais dividido fica.  Somente a igreja tem a mensagem que pode unir o mundo.  Esta união não é utópica, mas real.  Ela não está centrada em uma ideologia, mas em uma pessoa, Jesus.  Cabe a nós levarmos ao máximo de pessoas possíveis.  A salvação é para todos e nós somos os porta-vozes desta salvação.  Não importa em que nível de relacionamento com Cristo você está.  Se você permitir, Cristo te usará grandemente para a glória do nome dEle e para a unidade da igreja.

Não somente lá fora você deve gritar e anunciar a unidade dos povos em Cristo.  Mas também na igreja doente em que vivemos.  Não aceite separação por nenhum fator, nem mesmo os mais polêmicos.  Promova a unidade, promova o amor, promova a paz.  Deixe que Deus julgará a cada um segundo suas obras.  Quanto a nós, somos agentes do amor e unidade que provém de Jesus Cristo. 

E por fim:

  1. A unidade verdadeira reflete a sabedoria de Deus para o mundo espiritual (10-12)

Mais uma vez Paulo torna a falar de regiões ou lugares celestiais.  Desta vez, o mundo espiritual ou a habitação celeste é citado como espectadores da igreja.  É responsabilidade da igreja revelar para os anjos a multiforme sabedoria de Deus e com isso os anjos darão glória a Deus. 

Porque Deus quis que Paulo pregasse?  Para que através do mistério da unidade os anjos dessem glória a Deus.  Porque Deus quer que eu e você preguemos o evangelho da unidade? Para que os anjos dêem glória a Deus.

Tudo o que Deus faz tem o propósito de dar glória a Ele mesmo.  A razão de ser da igreja não é somente para salvar pessoas e levá-las a um conhecimento de Cristo.  Isto é conseqüência do trabalho de Deus em nossas vidas.  Isto nos beneficia eternamente.  Contudo a razão da igreja existir é para que os anjos vejam a sabedoria de Deus e glorifiquem a Ele nos céus, pois Ele é digno de glória eternamente, amém!

John Macarthur diz “Os anjos podem ver o poder de Deus na criação. Os anjos podem ver a ira de Deus no Monte Sinai. Os anjos podem ver o amor de Deus no Calvário, mas Deus diz que eles irão ver a Sua sabedoria na igreja.” 

É esse Deus que pega homens diversos, mulheres diversas, livres, escravos, ricos, pobres, brancos, negros e misturam todos e faz deles um só povo, uma só nação, uma nação santa, separada, unida, forte, que ama a Ele e ao próximo.  

É este mistério oculto antigamente que Deus revela a Paulo e que revela a cada geração da igreja.  E é esta igreja que unida demonstra a sabedoria de Deus para anjos e demônios. 

Não se enganem.  O mundo espiritual nos assiste.  E eles sabem quem é e quem não é a igreja do Senhor.  A igreja verdadeira reflete a sabedoria verdadeira do nosso Deus e tudo isto é revertido em glórias para Ele mesmo. 

Conclusão:

Paulo encerra como começou, falando sobre sua prisão e seus sofrimentos.  Contudo, ele exalta seus sofrimentos como sendo motivo de orgulho para aqueles cristãos.  Ele manda eles se orgulharem do que ele estava passando. Todo aquele sofrimento testificava da mensagem do Evangelho.  Se o Evangelho falava que o crente iria padecer sofrimentos, então, Paulo era a indicação viva da verdade do Evangelho.  Contudo, ao invés de se desesperar, amaldiçoar a Deus e viver em depressão, Paulo pensava na igreja, orava pela igreja, ensinava a igreja.  Ele estava preso, mas as revelações de Deus não paravam de vir até ele e dele passar para as igrejas através de cartas. 

E mesmo preso Paulo promovia a unidade da igreja. 

E nós? Será que também somos agentes de unidade? Será que nós somos unidos a nossos irmãos?  Será que escapamos da praga do individualismo ou será que também fomos engolidos por ela?

Que Deus nos ajude.

Oremos.

 

RELATED MEDIA
See the rest →
Get this media plus thousands more when you start a free trial.
Get started for FREE
RELATED SERMONS
See the rest →